quinta-feira, 17 de julho de 2008

Além de rimas

É além de rimas, atrás de prédios,
perto do que é verde,
amanhace em São Paulo.
A majestosa, sempre, onipresente,
vai despercebida agora, na aurora,
em poucos desafetos mundanos,
Eis que surje tão glorioso, eis que permanece tão impiedosa!
Ah estas manhãs nostálgicas,
feitas de saudadades, feitas de sons,
Amanhecer, perto de você,
sem te ver... sem te ver... sem te ver...
sem te conhecer...
Estás manhãs... silenciosas, ausentes, pecadoras...

3 comentários:

Karina Meireles disse...

...Eu sinto tanta saudade
Da aurora da minha vida,
De uma casinha escondida,
Entre as sombras do quintal

sem te ver
sentindo
o silêncio
o pecado...
encontro
nosso aer

Karina Meireles disse...

(rs.. correção)
nosso *Ser

Raquel Zucchi disse...

fantastico!